Investir no setor imobiliário, vale a pena?

No Brasil, investir no setor imobiliário é, sem dúvida, bastante clássico. Há uma sensação de estabilidade e solidez nesta classe de ativos e uma tendência à inflação para continuar a se valorizar.

 

 No entanto, o resultado depende da localização e do uso final do imóvel. Além disso, é crucial saber onde o investidor está na cadeia de produção do mercado imobiliário.

 

 As gerações passadas costumavam reunir ativos em imóveis. Assim, ainda hoje, existem aqueles que pensam que “terra” é o melhor investimento.

 

 Entretanto, o mundo mudou, tudo passou por uma grande evolução e hoje já é bem viável investir em imóveis com pouco dinheiro. A propósito, mesmo através de dispositivos de investimento negociados na bolsa de valores!

 

 

Vale a pena investir no setor imobiliário?

 

 Esta questão é sem dúvida altamente subjetiva. Em última análise, depende de vários componentes, tais como seu perfil de investidor, o tipo de propriedade e o período de investimento.

 

 Comecemos desmascarando alguns mitos: em primeira instância, não existe o “melhor investimento”.

 

 Ninguém tem uma bola de cristal para saber qual classe de ativos terá melhor desempenho no futuro.

 

 Investir não é um jogo de olhar para trás, mas de olhar para frente.

 

 Em outras palavras, estamos falando de entender o que está sendo criado hoje e o que tem mais probabilidade de ter um impacto positivo no futuro.

 

 Portanto, é apropriado construir teses de investimento que tendem a ter um ótimo retorno no futuro.

 

 É por isso que é tão crítico construir uma carteira de investimentos diversificada, com algumas classes de ativos diferentes e uma série de produtos de investimento diferentes.

 

 

Diversificação de carteiras

 

 Para ter uma carteira diversificada, é preferível escolher ativos que não estejam correlacionados entre si.

 

 Ou seja, eles são tão diferentes que se movem em direções completamente opostas, uma vez que as condições do mercado mudam.

 

 Em resumo, a diversificação da carteira visa expor a carteira a diferentes classes de ativos e produtos financeiros.

 

 Desta forma, o investidor tem a certeza de investir na classe de ativos que terá o melhor desempenho no futuro. E, como consequência, ele protege sua carteira daqueles bens que terão o pior desempenho no futuro.

 

 Em outras palavras, mais ou menos falando, você ganhará algo. E você não perderá tanto como se investisse apenas na classe de ativos de pior desempenho no período de tempo em consideração.

 

 Além disso, é possível diversificar em um segmento. Na situação imobiliária, você pode investir em fundos imobiliários comerciais e residenciais, por exemplo.

 

 Centros comerciais, armazéns logísticos e escritórios. Em locais diferentes. E assim por diante…

 

 Lembre-se apenas de diversificar de acordo com seus custos de investimento.

 

 Se você espalhar seus investimentos muito pouco, pode ser mais complexo fazer ganhos significativos e ser capaz de medir o desempenho de cada ativo.

 

 

Risco de investimentos imobiliários

 

 Voltando à questão dos bens imóveis, um problema com este tipo de investimento é a falta de liquidez. Liquidez é o tempo que leva para transformar um ativo de volta em dinheiro depois de vendê-lo.

 

 Em outras palavras, o tempo que leva para ter dinheiro para fazer o que você quer ou precisa fazer.

 

 Os bens imóveis não pagam principalmente o lançamento. Se você precisar de dinheiro por qualquer motivo, e todos os seus bens permanecerem investidos em tijolos, você pode ser incomodado.

 

 É possível que você tenha que se desfazer mal do imóvel. Perder dinheiro em negociações para alcançar a comercialização imediata.

 

 

Fique de olho nos custos

 

 Além disso, há custos de manutenção, para corrigir a deterioração causada pela idade e pelo uso.

 

 Além disso, há custos de vacância. Estamos falando de custos de manutenção, uma vez que o imóvel está vazio e não alugado (IPTU e condomínio).

 

 Isto significa que, a fim de manter o custo de mercado do imóvel, o dinheiro precisa ser continuamente investido em sua manutenção.

 

 E este custo pode tornar o investimento inviável para certos investidores. Em conclusão, para investir diretamente no setor imobiliário, não basta ter dinheiro para comprá-lo.

 

 Também é necessário calcular os custos de transação, o ITBI, o imposto de transferência e os custos financeiros de manutenção do imóvel.

 

 Além disso, é essencial levar em conta os custos possíveis. Esse dinheiro poderia ser melhor investido em outro produto que traria mais custos para a carteira de investimentos do investidor, em vez de na manutenção de um imóvel?

 

 Avalie todos os itens acima mencionados antes de vender um imóvel para investimento.

 

AGUARDE 40 SEGUNDOS PARA BAIXAR.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *