Custo Efetivo Total (CET); entenda como funciona

Para explicar como funciona o Custo Efetivo total, vamos citar um exemplo.

Geralmente, ao fazer uma simulação de crédito ou contratar um empréstimo, os clientes concentram sua atenção na taxa de juros ou no número de parcelas.

 Entretanto, eles não levam em conta os custos extras envolvidos na operação de crédito.

 Desta forma, os clientes têm a possibilidade de não saber quanto continuam pagando em geral pelo empréstimo ou financiamento.

 Além disso, eles têm a capacidade de escolher a escolha mais cara, entre tantas acessíveis no mercado.

 Para contornar este problema, saiba o que são os Custos Efetivo Total.

 

Mas o que significa Custo Efetivo Total (CET)?

 O CET é a soma de todos os custos de um empréstimo ou financiamento.

 Ou seja, custos como impostos, taxas, seguros, custos administrativos, e assim por diante.

 Então, com os custos todos somados, o CET servirá como um indicador, mostrando quanto o crédito custará ao consumidor, evitando assim surpresas desagradáveis.

 Assim, desde o ano de 2008, as instituições financeiras tem por obrigação demonstrar ao consumidor os custos totais em dinheiro de suas operações de crédito.

 A obrigação está expressa na Resolução No. 3517/2007 do Banco Central.

 E o cliente deve receber, antes de finalizar a transação, uma cópia do contrato feito, com as informações sobre a  CET e detalhando todos os custos envolvidos na operação de crédito.

Qual é a importância do Custo Efetivo Total (CET)?

 O Custo Efetivo Total é fundamental para que o consumidor saiba em detalhes quanto custará o crédito esperado.

 Além disso, conhecer o CET de cada instituição financeira permite a comparação da melhor oferta de crédito, sem custos ocultos. Desta forma, você poderá escolher o mais vantajoso para o seu objetivo.

 Como é calculado o CET?

 O cálculo é feito por bancos e instituições financeiras.

 Para calcular os valores do Custo Efetivo Total (CET), os seguintes custos de operações de crédito são geralmente somados

 o Taxa de juros;

 o(TAC) Taxa de abertura de crédito;

 o Taxa de análise de crédito;

 o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF);

 Seguros em geral;

 o Taxas administrativas em geral;

 o Taxas de manutenção do registro;

 Pagamento de serviços de terceiros;

 Registro e gravames

 Emolumentos notariais;

 Outras taxas (que têm de ser detalhadas e detalhadas).

 O CET é mostrado como uma porcentagem anual (%) e informa o custo real que o consumidor pagará sobre o valor total emprestado ou financiado.

Como utilizar o CET nas transações de crédito?

 O objetivo do CET é indicar ao consumidor o custo total da transação.

 Portanto, se a organização não mostrar a CET, solicite-a! E depois compará-lo com outras possibilidades no mercado.

 Não basta comparar a taxa de juros ou o número de parcelas. Compare também o CET.

 Por exemplo, um empréstimo com taxas de juros mais baixas pode não ser o mais vantajoso se as tarifas, seguros, taxas e outros custos forem altos, tornando a operação mais cara.

 Aqui estão algumas dicas para ajudá-lo a combinar e escolher:

 o Use continuamente a mesma parcela e o mesmo termo na consulta.

 o Combine com o CET das propostas.

 Veja as tarifas incluídas em cada iniciativa.

Assim, conhecendo as Custo Efetivo Total, você terá um indicador fundamental para combinar empréstimos e financiamentos em diferentes empresas.

Esteja atento, pois mesmo com a equidade de prazos e taxas de juros entre as organizações, o CET poderá ser diferente entre elas.

 Use o CET para ajudá-lo a combinar as propostas e analisar qual delas lhe convém melhor.

AGUARDE 40 SEGUNDOS PARA BAIXAR.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *